terça-feira, novembro 21, 2006

Seguranca Social

O grau de desenvolvimento de um pais, mede-se pelo sistema de seguranca social que oferece aos seus residentes. Ou pelo menos, assim pensava eu, ate' fazer uma visita a' seguranca social, aqui nos States. Confesso que esperava um servico altamente eficiente, modernissimo, just in time e customizado a cada "cliente". Estava enganado, como vao perceber a seguir.

Sendo considerado um "alien" (um trabalhador estrangeiro), tenho necessariamente que me inscrever na Seguranca Social (SS) - alias, aqui ninguem e' ninguem se nao estiver inscrito na SS, nem sequer consegue abrir uma conta bancaria (chega a ser ridiculo, mas a nocao de BI e' muito pouco utilizada - ate a carta de conducao e' mais importante). Assim fiz, aqui ha' dias.
Segundo me diziam, aquilo fechava as 4. Logo aqui comecei a fazer conjecturas... as 4? "Fogo, isso e' pior que em Portugal, onde se pode ir ate a' SS nas lojas do cidadao, pelo menos ate as 7, ja para nao falar ao sabado", pensei. Bem, nao sabendo o que ia encontrar, resolvi sair as 2 e meia, pensando "Pode ser que nao esteja la ninguem"... como se isso fosse possivel em qualquer SS de qualquer pais deste mundo. Anyway... la' cheguei 20 minutos depois. 'A porta estavam estacionados 4 ou 5 carros... Menos mal.

Entrei. La dentro, logo a' entrada, juntamente com um sinal ameacador que pedia para que desligassemos os telemoveis, estava uma seta de cartao, pendurada no tecto, que dizia "Please check in", apontando para um computador, estilo Pentium 2, quase tao antigo como o meu velhinho Spectrum. No ecra (a preto e branco) estavam uma serie de opcoes possiveis. La' escolhi a que mais se adequava e esperei, para ver o que acontecia.... trick-trick-trick-trick... isto e' o barulho da impressora (se nao era de agulhas, imitava muito bem)... o belo do papel la' saiu, anunciando o meu numero - 51. Olho para o placard electronico (a unica coisa moderna que la encontrei), marcava 45. Boa! 6 pessoas apenas, isto vai ser um fininho.

Pois, estava enganado. 1 hora depois - sim, uma hora - la' chegou a minha vez. "Number 51, window A, please". Fui atendido por uma senhora (sim, tambem aqui quase so ha' senhoras a atender - deve ser uma coisa mais ou menos universal), adequadamente simpatica e gorda... muito gorda... como eu nunca tinha visto (este comentario nao tem nada a ver com o resto da historia, mas tinha que partilhar isto convosco). O processo em si foi muito simples, fotocopia para aqui, passaporte para ali, mais assinatura, menos assinatura e voila'... o cartao ira para casa dentro de 2 a 4 semanas. Mas demorei os mesmos 10 minutos que os outros demoraram... a burocracia, tambem aqui, ocupa espaco e tempo na vida quotidiana.

Pelo meio, enquanto esperava, assisti a uma cena irreal, que mais parecia retirada de um filme. Um velhote resolveu, inocentemente, atender o telemovel enquanto a sua mulher estava a ser atendida. No preciso instante em que atende o telefone, salta da cadeira o seguranca em direccao a ele, grintando e gesticulando freneticamente: "You can't use the phone here, please switch it off". O pobre senhor so' disse a quem estava do outro lado que nao podia falar e que ligava mais tarde... e' mesmo a' americanos, sempre paranoicos com a seguranca. Estava com medo do que? Que o velhinho fosse um gangster disfarcado e fosse sacar do telemovel uma bomba hi-tec, capaz de explodir tudo, num raio de 100 km?... Se o homem se esticasse um pouco mais na conversa tinha apanhado um tareao. No minimo.

Resumindo e concluindo: vim de la' mal impressionado. E' certo que ir a' SS, seja em que pais for, e' sempre um atraso de vida e acontece sempre algo de estranho, nao ha como evita-lo. Mas... 6 pessoas atendidas numa hora? Ate a loja do cidadao das Laranjeiras tem uma media melhor que esta. E pelo menos, tem placards electronicos altamente sofisticados, com senhas que preveem tempo de espera (sempre errado, mas nao interessa), onde se pode falar ao telemovel livremente. E sempre se pode ir buscar a senha de manha, ir as compras, almocar e voltar a tarde, e ainda ter 30 pessoas a' espera. E ainda dizem que este e' o pais mais desenvolvido do mundo.

Meu rico Portugal!

3 comentários:

Taresa disse...

como eu te compreendo meu kido, e financas há pois é, aí é k doi com a maluca da caniche a atender e a dizer baboseiras, qualquer dia é contratada pelo gato fedorento. Por falar em gato fedorento, eles tem um programa novo aos domingos k está demais tens de ver vai ao site deles penso que é lá que se podem ver.

Taresa disse...

Aconteceu aki um pequeno Problem como já deves ter reparado. Coisas de loura

Luís Rodrigues disse...

Começo a ter uma ideia diferente sobre os states.